27/02/2010

Um intervalo para POESIA, porque esta é da boa!
( surrupiei do blog do Cartunista Solda )


(Foto sem crédito)

mulher,
a floreira sobre a mesa
empalideceu,
o desenho da cortina se desfez no ar,
mas não sabias.
No branco e preto da paisagem,
te fizeste cor,
quando te beijei, mulher,
não sabias.
Naufraguei
quando o sol do teu corpo
me feriu a mão,
quando o sal da tua pele
me adoçou a voz,
mas não sabias.
Mulher,
vem buscar o arco-iris
que esqueceste sem saber
pelas ruas desta vida,
nas esquinas,
pelo ar.

PAULO VITOLA







4 comentários:

Cynthia Lopes disse...

Lindo poema, um cântico muito bonito.
bjs

Celia na Italia disse...

Beth
É uma poesia e uma declaração de amor, uau!

(l' excessive) disse...

Meninas!
Realmente uma bela poesia por isto coloquei ela aqui. Quisera que esta declaração de amor fosse para mim....hehehehe

Marcelo Amorim disse...

Conheço o Paulo Vitola, trata-se de uma figura tão doce e poética quanto seus poemas.